Archive for julho \30\UTC 2010

1 ano de Blog

julho 30, 2010

[bolo_aniversario-1.gif]

Há exatamente 1 ano atrás eu iniciei esta vida de blogueiro. Sempre gostei muito de ler tudo a respeito do futebol e sobretudo sobre o São Paulo.

Criei então o Blog do Fabiano Pellege e aqui sempre deixei a minha opinião do que cercava o nosso time. Não sou partidário de apenas copiar e colar notícias. O meu propósito sempre foi expor minhas idéias e meu ponto de vista. Logicamente que se alguém escrever um texto interessante, não há problema nenhum em eu publicar aqui, mas sempre dou crédito às fontes.

Nesse 1 ano conhecí muita gente legal, fiz amizade com várias pessoas (São Paulinos ou não) e fui me aprofundando cada vez mais nesso universo virtual.

No começo fui convidado para escrever para o “São Paulinos de Araxá”, “SPFC – Uma paixão sem limites” e nos já extintos “Redação SPFC” e “São Paulo Blog News”. Depois comecei a enviar alguns textos para o Blog do São Paulo (na época ainda se chamava Blog do Zanquetta) que foram sendo publicados semana após semana. No próprio Blog do São Paulo eu ganhei uma promoção do livro “Tricolor Celeste” e fui convidado para ser colunista. Hoje, além das colunas faço as entrevistas do Blog e também a rádio com o programa Debate Tricolor.

Gostaria de agradecr a alguns amigos: Junior (Blog do Junnym), Pâm Cristina (Fã Clube do Luis Fabiano), Rafa Monteiro (Santo Paulo Blog), Uanderson Leonardo (São Paulinos de Araxá), ao pessoal dos Manos do ABC, aos entrevistados e principalmente à galera do Blog do São Paulo: Zanquetta (Boss), Kátia (Minha madrinha), Denão (meu parceiro de churrascaria), Jeffão (meu conterrâneo), Ederson (candidato a jornalista da ESPN e SporTV), Fabiano (Xará), Deco (Professor Luxemburgo), Juliana Câmara (minha afilhada), Kay, Sato, Marcio Rocha, Ricardo Drago (Meu afilhado e blogueiro do excelente Meu time de Botão) e mais um monte de gente que eu devo ter esquecido (me perdoem).

Nesse tempo tive o prazer de entrevistar:

Paulo Coruja (Cracker Blues), Lyllian Bragança (Musa do Carnaval de SP), Ricci Jr (Morumbi 2014), Daniel Perrone (Globoesporte.com), Sombra (Estádio 97), Zetti (Mito Tricolor), Mionzinho (Legendários), Xandão (Zagueiro do São Paulo), Fajopa (Blog do São Paulo) e Laudo Natel (Patrono e parte da história do São Paulo).

Abraços…… um recado:

SOZINHOS NÃO SOMOS NADA. A AMIZADE É TUDO NESTA VIDA !

Anúncios

Pra cima deles !

julho 27, 2010

Vou plagiar um pouco meu amigo Rafa Monteiro do “Santo Paulo Blog” em sua famosa frase.
Chegamos a um momento crucial da temporada em que a equipe tem a OBRIGAÇÃO de mostrar um bom futebol. Se os jogadores dizem através da imprensa que a Libertadores é diferente, e que os maus resultados do Campeonato Brasileiro não influenciarão o time no torneio mais desejado da nossa torcida, que seja diferente então! Não podemos tolerar apatia e falta de vontade em
campo. Contra o Internacional a torcida quer ver raça, muita vontade e sangue, se necessário.

Não é hora de pensarmos nos nossos problemas. É hora da nação Tricolor apoiar o time, unir forças e acreditar que os 11 guerreiros que enfrentarão o colorado possam fazer história e trilhar um caminho que muitos não acreditam, mas que o torcedor SãoPaulino sabe que é muito possível.

Com licença meu amigo Rafa Monteiro, mas………… PRA CIMA DELES, SÃO PAULO !!!!

Derrubem o presidente

julho 6, 2010

Primorosa coluna de Flávio Gomes (ESPN) para o IG. Confira:

Ricardo Teixeira é presidente da CBF há 21 anos. Não foi eleito por ninguém a quem devamos alguma consideração. Foi eleito pelos patetas dos presidentes das federações estaduais. São 20 e poucos, que podem ser comprados com jogos de camisas e bolas. É bem fácil ser eleito presidente da CBF quando se tem dinheiro para comprar jogos de camisas e bolas.

Ricardo Teixeira é um mau elemento. Não precisa me processar, presidente. Mau é antônimo de bom, e elemento é apenas um substantivo, como abacaxi ou jarra. Mau porque não é um bom presidente, porque na Copa de 1994 a Receita Federal o pegou no pulo trazendo muamba, não sou eu que acuso, não precisa me processar, presidente. Mau porque escolheu Lazaroni e Dunga, porque foi sacana com Falcão e Leão.

Mau porque preside uma confederação de um esporte, o futebol, e aqui quer realizar uma Copa do Mundo de futebol, e o país cuja confederação ele preside não tem um estádio decente onde se possa jogar futebol. Não precisa me processar, presidente, digo isso baseado no fato de que todos os estádios da Copa de 2014 estão por ser construídos ou reformados.

Em 21 anos como presidente da confederação de futebol, portanto, Ricardo Teixeira não conseguiu que seu esporte tivesse um palco sequer apropriado para a prática do esporte cuja confederação ele preside.

Não se trata, aqui, de tabular resultados. Foram seis Copas das quais o Brasil participou sob sua gestão, ganhou duas, chegou a uma final, em outras três se deu mal. Isso tudo é normal, no esporte ganha-se e perde-se, não importa. Mas foi sob sua gestão que o futebol do interior do Estado de São Paulo morreu, e isso me parece preocupante, foi na sua gestão que a Fonte Nova desabou, foi na sua gestão que o Campeonato Brasileiro virou Copa João Havelange porque os clubes estavam brigando com não sei quem, foi na sua gestão que as torcidas uniformizadas viraram gangues de criminosos, foi na sua gestão que as bandeiras foram proibidas nos estádios paulistas, foi na sua gestão que se viu o maior êxodo da história de jogadores para a Europa, para a Ásia, para o Oriente Médio, foi na sua gestão que desapareceu o futebol do Norte e do Centro-Oeste, foi na sua gestão que pegaram juízes vendendo resultados, foi na sua gestão que os empresários-urubus invadiram os clubes para tomar deles os garotos em começo de carreira.

Assim, sinto-me à vontade para dizer que Ricardo Teixeira é um mau elemento, ou um mau presidente, ou um mau dirigente, como queiram, e sinto-me mais à vontade ainda para não gostar dele e, portanto, de nada do que sai de sua cabeça, porque o futebol brasileiro, resumindo, é uma merda: não tem estádios, os melhores jogadores não ficam aqui, a violência das torcidas é uma mazela, os horários dos jogos são o fim da picada e mais um monte de coisas.

Para mim, está na cara que tudo é culpa do Ricardo Teixeira. É ele o presidente da confederação que cuida do futebol. Se o futebol está uma merda, dou-me o direito de achá-lo um m… um mau elemento que não cuida do futebol.

Ele cuida de contratos. Com a Nike, com a Globo, com o Itaú, com a Brahma, com a Seara, com a TAM, com a Gillette, com a puta que o pariu. Não me interesso por contratos. A CBF virou uma empresa que administra contratos e que tem um produto, a seleção brasileira. Não passa disso. Caga para o futebol. Agora há pouco, aliás, a CBF acabou de devolver o comando da gestão midiática de sua seleção à TV Globo, numa melosa entrevista no canal Sportv, conduzida por Galvão Bueno, Renato Maurício Prado, Paulo César Vasconcelos e Arnaldo César Coelho, que passaram uma hora lambendo Ricardo Teixeira, depositando toda a culpa da má Copa em Dunga (que, se bem me lembro, foi escolhido por Ricardo Teixeira), que só virou vilão na Globo porque não deu privilégios à Globo, a única coisa que prestou em sua gestão.

Por isso, enquanto Ricardo Teixeira for o presidente da CBF, nada vai acontecer. E ele será, enquanto quiser. A não ser que…

A não ser que as pesoas de bem que militam no futebol reajam.

É preciso que as pessoas de bem que militam no futebol se manifestem. Assim: Felipão é chamado para a seleção; não aceita, e diz porquê. Leonardo, o do Milan, idem: convoca uma coletiva e diz que não quer, porque não pode servir a alguém como Ricardo Teixeira. Mano Menezes é convocado: responde que não pelo Twitter, para todo mundo saber que não tem a menor intenção de ser funcionário de uma empresa que administra contratos e não liga para futebol.

E jogadores poderiam recusar convocações, e torcedores poderiam se recusar a comprar camisetas amarelas, e as emissoras de TV poderiam se recusar a transmitir os jogos do time da CBF, e aí o Ricardo Teixeira iria à falência, ou entregaria o cargo.

E aí o governo federal poderia baixar uma norma através de seu Ministério de Esportes proibindo qualquer confederação esportiva de ter presidentes que permaneçam no cargo por mais de duas gestões, algo fácil de se fazer, para que o futebol, quem sabe, caia nas mãos de gente boa, honesta, respeitada.

Para que um dia, quem sabe, a CBF possa ser presidida pelo Zico, ou pelo Sócrates, ou pelo Raí, ou pelo Rogério Ceni, ou pelo Marcos, ou pelo Paulo Autuori, ou pelo Mano Menezes, ou pelo Tostão, ou pelo Xico Sá, por gente que vive ou viveu do e no futebol, e não por alguém como Ricardo Teixeira, que só está lá há 21 anos porque era genro de João Havelange, outro elemento que adora o poder eterno, para que a seleção brasileira volte a ser formada por jogadores do Flamengo, do Corinthians, do Palmeiras, do Galo, do Inter, do São Paulo, do Santos, do Fluminense, para que a seleção brasileira use camisetas da Penalty ou da Lupo, jogue no Maracanã, no Morumbi, no Beira-Rio, no Couto Pereira, no Mineirão, e não em Londres, para onde não posso ir com tanta frequência assim.

Imagem: ig.com.br